Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Gato Pardo

Para quem conhece, vocês estão mais que vacinados. Vocês não conhecem isto? São maiores de idade? Trazem o vosso cartão de cidadão, boletim de vacinas e resgisto criminal? Não? Fantástico!!!

Há óculos e óculos...Porra, não abusem...

04.06.12publicado por Gato Pardo

Nas palavras imortais de um qualquer poeta (cheira-me que por não saber o nome dele, o sacana vai assombrar a minha existência para todo o sempre), os olhos são as janelas da alma.

Ok. Tem lógica. É uma forma catita de colocar a coisa. Agora se o mesmo poeta ainda fosse vivo gostava de perguntar a opinião dele sobre o facto das mulheres usarem dois ecrãs LCD de 40 polegadas para tapar as ditas janelas...

Sou daqueles felinos que gosta de falar com as pessoas olhos nos olhos. As palavras iludem, a linguagem corporal é ligeiramente dúbia mas os olhos raramente enganam (muita atenção ao raramente...).

Ok, eu mencionei as mulheres por serem a grande maioria mas também há homens. Suponho eu que seja porque as mulheres não os deixam comprar um MonsterTron de 500 polegadas para ter na sala, logo compram umas lunettes king size para compensar a frustração. Mas voltemos ao mundo feminino.

Não passa um dia que não veja uma mulher que seja com óculos que ocupam não só 90% do perímetro facial como em alguns casos, parte do lado negro da lua...Suponho que em alguns casos sejam úteis...Esconder borbulhas, herpes, as chaves de casa, personalidades m*rdosas, etc...

Pior que os óculos de tamanho similar à extinta Estação MIR é aquele pessoal que faz questão de os usar em locais fechados e mais que iluminados...

Aparentemente dá estilo...Vai daí, suponho que andar com um strap on cor de rosa com um dildo de proporções anatomicamente exageradas também mas nem por isso eu ando com um.

Fiz um pequeno inquérito. A 100 mulheres inquiridas telefonicamente (com o telemóvel do chefe, que isto as chamadas estão caras) foi-lhes colocada a seguinte questão...

 

"Na sua zona de residência, onde é que se bebe café e condições? E há sítio onde comprar tabaco? Ah, e já agora...Se é a feliz proprietária de um par de óculos de dimensões semelhantes à contracção do PIB, para que raio é que você quer uma coisa tão grande? Os seus globos oculares não vão crescer assim tanto...a não ser que esteja a considerar enfiar silicone nos ditos...No que é que ficamos?"

 

85% das inquiridas responderam "Hum..." o que me leva a crer que em breve seremos pioneiros nas cirurgias de implantes de silicone oculares.

10% das inquiridas deram-me a conhecer que a área por metro quadrado dos seus óculos é tão grande que conseguem colar cerca de 20 exemplares da revista "Rotas e Destinos" e "Happy" o que lhes permite não só viajar pelo mundo em horário de expediente como ainda descobrir práticas sexuais alternativas e a roupa da estação.

Os restantes 5% das inquiridas questionaram o que é um PIB, se se aplica da mesma forma que um diafragma e se podiam utilizá-lo como desculpa tipo "desculpa querido, hoje estou com um PIB do caraças"...

 

Deixem-se de m*rdas...Há por aí muito olho bonito (isto não soa exactamente bem, mas enfim...) que é merecedor de ser visto. E seios. Sim. Seios...E pronto. Sim, gosto de terminar posts com seios. É uma forma catita de closure.

Hoje, basicamente o que se passou foi isto...

03.06.12publicado por Gato Pardo

Portugal levou nas bordas.

Bryan Adams bem precisava de um lifting ali naquelas bochechas.

E para terminar a noite, vi o Stevie Wonder a rebolar pelo chão com um sintetizador.

 

Não. Este post não tem absolutamente nada de sexual.

É somente a minha mente conspurcada.

E a vossa, agora que vos coloquei imagens obscenas do Stevie Wonder, o Bryan Adams e os jogadores da selecção todos ao molho e fé em Deus...

No one likes a f*cking prick...

01.06.12publicado por Gato Pardo

À medida que os anos vão passando, há pequenas parcelas do nosso ser que vamos aprimorando. Há arestas que são limadas, não porque isso nos seja imposto mas porque todos nós tentamos ser o melhor ser humano possível e sentirmo-nos bem na nossa pele.

Lutamos as nossas batalhas, umas ganhas, outras perdidas. Saramos as nossas feridas, umas mais profundas e outras superficiais. E crescemos com isso...

Existem inúmeras características no ser humano que me causam sarna. Um ligeiro eczema. Mas há uma que ocupa o pódio de longe.

Não tolero a falsa vitimização. Os caga tacos deste mundo que manipulam aqueles que gravitam em seu redor para que sejam eles a lutar as suas batalhas. Os pobres coitados que erguem autênticas barreiras humanas em seu redor porque sabem ser mais fácil ser os outros a lidar com os danos colaterais do que eles mesmos.

Hoje tive um dejá vu. E também uma crise de soluços. Não sei qual deles o mais grave, porque o dejá vu foi verdadeiramente m*rdoso mas é sobre ele que vou dissertar um pouco.

Anos atrás vi uma peça de teatro ser montada perante os meus olhos. Actores de gabarito inquestionável, dezenas de figurantes e um enorme pano de veludo vermelho que tudo tapava. Os figurantes alimentavam a peça sem questionarem para gáudio dos actores principais. Mas como qualquer peça que se preze, só vale a pena representar quando há público sedento de mais. O pano caiu. O palco desabou. As luzes fundiram. E tanto o público como os figurantes perceberam o quanto foram enganados.

Hoje senti a mesma sensação.

Um teatro relativamente amador foi montado perante os meus olhos. É pena. Não pago bilhete para ver o circo a pegar fogo. O tempo encarrega-se de apagar as labaredas. E quando estiver em fase de rescaldo, eu passo por lá para acender um cigarro em honra da estupidez humana.

Nunca se deve subestimar um gato com bagagem, mau feitio e com conhecimento aprofundado do jogo idiota que é a manipulação humana. O facto de conhecer bem o jogo não significa que faça uso dele. Apenas sinto pena pelos que se deixam embrenhar em teias que não são deles.

 

Pág. 2/2